domingo, dezembro 20, 2015

Gostar e não gostar, eis a questão!


Apesar de ter feito análise vários anos e de considerar que ela me ajudou muito a perceber-me e a escutar os sinais que o corpo e a alma me dão para antecipar futuros efeitos funestos, a verdade é que existem algumas pequenas janelas que conseguiram escapar àquele processo.
Uma delas, e talvez a mais significativa, respeita o facto de eu ser perfeitamente capaz de gostar e não gostar, em simultâneo. Explico-me melhor com um exemplo.
Tive sempre com José Mourinho esta ambivalência. Aprecio as suas qualidades profissionais, mas o que mais gosto nele é também aquilo que menos aprecio. Se, por um lado, admiro a convicção, a segurança, a autoconfiança, a frontalidade que sempre manifesta, por outro, irrita-me sobremaneira a arrogância, o amor próprio, a sobranceria, o orgulho, que também tem e que são o reverso da medalha daquilo que ele realmente é.
Assim, como se deduzirá, o special one atrai-me e afasta-me, diria, com a mesma intensidade. Mas não seria verdadeira e aqui é que reside o nó górdio da questão. É que para se poder conviver com este dualismo, tem que se perceber que um dos lados possui algo mais do que o outro, mesmo que a diferença seja, diria, infinitesimal. No caso vertente esse infinitésimo pende a favor de José Mourinho, sabe-se lá porquê. Talvez, admito, porque também é um bonito homem!

HSC

9 comentários:

Anónimo disse...

Podia o mundo do futebol existir sem o José Mourinho?!
Poder,podia!...mas não era a mesma coisa.
Jo

Isabel Mouzinho disse...

O Mourinho, como outras pessoas, todas as pessoas, diria eu, tem um lado bom e outro menos bom. Nestes casos, costumo dizer que é um bocadinho convencido e todas as outras coisas, mas tem de quê. Ou seja, tendo as qualidades que tem, e sendo bonito, ainda por cima, tendemos a esquecer o "lado mau" mais facilmente. ;)

Anónimo disse...


Helena
Gosto do Mourinho, já pensou que o narcisismo, arrogância dele possa ser uma capa de defesa?
Aprendi a ser observadora, penso que naquela arrogância existe um ser frágil que se tenta defender dos demais que o atacam por ter cão e não ter. Às vezes os mais fracos arranjam formas de defesa que não abonam nada a favor da sua personalidade.

Carla

Helena Sacadura Cabral disse...

Carla
Pode ser defesa, mas não creio que seja fraqueza. Aquilo que verdadeiramente distingue Mourinho é essa carapaça fortíssima, cuja única fraqueza será, admito, a sua família. No resto parece-me alguém quase invencível!

Anónimo disse...


Helena
Concordo,a familia será sempre o calcanhar de Aquiles dele como o nosso.
Já passou, por algumas perdas difíceis irmã e sobrinho.
Nesta última, temporada em Inglaterra segundo os comentadores foi negativa devido a alguns jogadores do próprio clube, assim que saiu o Chelsea ganhou o 1º jogo sem ele.
Agora que é um lutador nato, um profissional com amor à profissão não tenho dúvidas, admiro-o.

Carla

Helena Costa disse...

Temos o hábito de não reconhecer o que é nosso! É o fado. Concordo com o que diz Dona Helena!

Helena Costa disse...

Temos o hábito de não reconhecer o que é nosso! É o fado. Concordo com o que diz Dona Helena!

Isabel Figueira disse...

Eu gosto do José Mourinho e acho graça às suas ironias. A sua rebeldia é o seu escudo protector no mundo do futebol que é uma máfia e também da inveja cerrada. Feliz Natal <3

Anónimo disse...

Mister Mou é,e,será sempre,o Special One.

:-)