terça-feira, fevereiro 02, 2016

O luxo de poder estar só!


Sempre gostei de ter o meu espaço próprio e, sobretudo, o meu silêncio. Preciso disso como do pão para a boca. Possivelmente porque gosto de mim e gosto de estar comigo.
De tal modo sempre foi assim, que até no meu tempo de maior felicidade, tive a sorte de poder partilhar com o amor da minha vida esta forma de viver, já que ele sentia o mesmo.
É claro que gosto de viver num espaço comum onde tudo se torna possível. Mas, depois, para ser feliz, careço ter o "meu próprio espaço, silencioso ou com as melodias de que mais gosto" onde raramente permito que me interrompam.
E mesmo quando tinha uma casa muito pequena, sempre tive o meu canto, aquele onde, quando todos dormiam, eu estava comigo própria e no qual as grandes decisões pessoais eram tomadas.
Muitos amigos me dizem que este bonomia que sinto e de que falo se deve ao facto de ter à mão muito bons amigos. Mas não é apenas isso, porque já perdi muitos deles.
É um sentimento mais fundo, que vem de dentro e que até tem algo de onírico, que não deixa, ao mesmo tempo, de me fortalecer. Trata-se de um verdadeiro luxo para aqueles que o saibam vivenciar!

HSC

15 comentários:

Isabel disse...

Também penso assim. Preciso do meu espaço e de tempo só para mim. Há tanta coisa para preencher esse tempo: dentro e fora da cabeça e do coração. Os livros , a música...
Não me aborreço de estar sozinha.
Mas também concordo com os seus amigos: ter amigos e família que estão por perto quando é preciso, também contribui muito para se poder desfrutar bem da solidão, por opção.

Continuação de boa semana:)

Julia Sobrinho disse...

Olä dra.Helena!sente se melhor?Só para lhe enviar um bjinho e como a entendo!

Julia Sobrinho disse...

Olä dra.Helena!sente se melhor?Só para lhe enviar um bjinho e como a entendo!

Paula Ferrinho disse...

Olá Helena, como a entendo!
De facto, preciso também desses momentos, "pedidos" pelas profundezas da alma, como momentos imperiosos para o meu equilíbrio. E isto, no meio (e apesar) da vida maravilhosamente barulhenta, agitada e ativa que tenho.
Um grande beijinho. Continuo (sempre) a adorar lê-la... e as receitas então! Um must... mesmo para mim que sou "bimbólica"!!!

Anónimo disse...


Helena
Sei do que fala, também o aprecio.

Carla

Dalma disse...

Esse estar só, é muito relativo! Dizia a minha querida avó, "só esteja quem só se deseja" este é que, a meu ver, é o verdadeiro "só"!

Anónimo disse...

Lovely Golden Milady
It's Time to Say GOoDbye

http://youtu.be/4L_yCwFD6Jo

Ghost

Tété disse...

Como sempre estou de acordo. O silêncio dos outros deixa-nos ouvir melhor os sons da nossa alma.
Já agora, querida Helena, é mesmo verdade que "O fio de prumo" só está acessível por convite?
Não sei se terá havido algum problema, ou se é mesmo assim.
Abraços

Isabel disse...

Vi que fechou o Fio de Prumo ao público...
Não compreendo porque é que, tendo limitação de comentários, se toma essa decisão...

Bom dia:)

Madalena Ferreira disse...

Dra.Helena,

Foi-me barrada a permissão ao blogue "Fio de Prumo".

Desconheço o motivo,gostava de ser esclarecida se possível!

Um abraço,

maria isabel disse...

Boa noite Doutora Helena
Desde ontem que não consigo entrar no "Fio de Prumo". Dá mensagem dizendo que não posso ler porque não sou convidada.
Não sei a causa,mas penso que não fiz nada que possa ter ofendido a Senhora.
Gosto muito de a ler e tenho um respeito muito grande.Se alguém se serviu do meu nome para a agredir ou ofender com comentários, não fui eu.
Se não for possível voltar a visitar este blog,aceito e desejo do coração, muitas felicidades e acredite que a minha opinião a respeito da Doutora Helena será o mesmo.
"UMA GRANDE SENHORA"
Bom fim de semana e abraços

Silenciosamente ouvindo... disse...

Eu também tenho o meu espaço e portanto compreendo
a sua forma de "gostar de estar" na sua própria casa.
Os meus cumprimentos
e um bom fim de semana.
Irene Alves

Mineu Martins Santos disse...

Deixo aqui este comentário que não tem a ver com este post mas não tinha outro modo de comunicar que fiquei triste e surpreendida com o bloqueio do "Fio de Prumo", pois todos os dias gostava de o visitar. A sua maneira de viver a vida transmite muita força e é um exemplo para todos nós.
Tenho pena...

Anónimo disse...

Hand in hand

A

Portuguesinha disse...

Desde sempre senti a mesma necessidade.
Contudo, não me foi permitido ter o meu silêncio.
Ainda hoje aproveito esse momento quando se proporciona. Mas não é a mesma coisa como se tivesse vivido sempre com acesso a ele. E aqui estou, de madrugada, aproveitando a «ausência de ruído». Por vezes este é desejável, necessário, mas para momentos de introspecção ou simplesmente descanso, o ruído é poluidor.

Acho que todos precisamos do mesmo.